PIPT - Historial

 Plano Integrado de Prevenção da Toxicodependência da Cidade de Lisboa (PIPT)

 

O Início no Casal Ventoso

 

Estes Programas nasceram com a intervenção de reabilitação urbana do Bairro do Casal Ventoso. Inicialmente em 1997 o Gabinete de Reconversão do Casal Ventoso criou e geriu directamente um Gabinete de Apoio no Casal Ventoso em que prestava aos toxicodependentes apoio social, médico, psicológico e cuidados de enfermagem, possibilitando ainda serviços de higiene, troca de roupas e uma alimentação ligeira. Este Gabinete permitiu a muitos toxicodependentes iniciar um percurso de aproximação às instituições sociais e de tratamento e foi complementado a partir de 1998 com uma camarata de 100 camas para utentes integrados num programa de metadona.

Em Agosto de 1998 a Câmara Municipal de Lisboa decidiu alargar a sua intervenção criando uma Equipa de Rua, um Centro de Abrigo na Rua Arco do Carvalhão com capacidade para 170 residentes, e um Centro de Acolhimento na Rua de Cascais para estabilização e encaminhamento de toxicodependentes que quisessem tratar-se, com capacidade para 50 residentes. A gestão destes equipamentos foi entregue pela Câmara a diversas instituições tendo Ares do Pinhal sido convidada a assumir a gestão do Gabinete de Apoio e do Centro de Acolhimento. Este Programa decorreu com assinalável sucesso, tendo sido alvo de uma avaliação positiva num estudo efectuado pela Universidade Católica.

 

O alargamento ao conjunto da cidade

 

Posteriormente, e com o desaparecimento da dimensão mais problemática do Bairro do Casal Ventoso, esta intervenção estendeu-se ao Bairro da Curraleira primeiro e depois a toda a cidade. Assim o Gabinete de Apoio do Casal Ventoso foi substituído por dois outros Gabinetes com objectivos algo diferentes, um na zona ocidental da cidade (Quinta do Charquinho - Benfica) e outro na zona oriental (Quinta do Lavrado - Chelas) e que prestam em regime de ambulatório apoio médico e psicossocial, com suporte de administração de metadona, aos toxicodependentes com indicação para este tipo de programas.

Para esse efeito foi criado em Setembro de 2001 um programa de administração de metadona em unidades móveis que fazem duas rotas, uma na zona ocidental (ligada ao Gabinete Ocidental) e outra na zona oriental (ligada ao Gabinete Oriental). Foi ainda criada em Agosto de 2004 pela Câmara uma extensão do Gabinete Ocidental na Avenida de Ceuta, em articulação com as equipas de rua que actuavam no local, para procurar intervir numa zona que voltava a tornar-se problemática.

Hoje este conjunto de estruturas permite que um toxicodependente, espontaneamente ou referenciado por uma equipa de rua ou outra instituição seja atendido, rastreado para doenças infecciosas e encaminhado para consultas (Tuberculose, Hepatites, SIDA etc.) apoiado num Gabinete de apoio médico e psicossocial e integrado num programa de estabilização com metadona. Alguns destes toxicodependentes têm necessidade de internamento no Centro de Acolhimento como forma de passar de um processo apenas centrado na redução de riscos como até aí para projectos de tratamento mais estruturados.

"Ares do Pinhal" tem participado ainda a pedido da Câmara noutras intervenções ocasionais (vaga de frio do Inverno de 2003 e Intendente, por exemplo) e realiza trabalho de rua junto da população feminina e masculina que se prostitui (Rota da Prostituição). No início de 2005 foi criada uma Unidade Móvel Consultório (GAT Móvel) para apoio psicossocial e médico de maior proximidade.

Todo este trabalho tem sido realizado em articulação com outras Instituições, nomeadamente Equipas de Rua, Centros de Abrigo e Albergues, CDP’s e consultas hospitalares, SCML e Segurança Social, CAT’s e Comunidades Terapêuticas, IRS e Estabelecimentos Prisionais, etc... Assumimos também a continuidade imediata da administração de metadona aos nossos utentes quando são hospitalizados ou detidos.

 

Actualmente Ares do Pinhal gere:

 

Um Programa de Baixo Limiar de Exigência em Instalações fixas e móveis na cidade de Lisboa, e que integra dois Gabinetes de Apoio Fixos (Zona Ocidental e Oriental) e duas Unidades Móveis de Proximidade (UM I e UM II), apoiados por um Gabinete de Apoio Móvel e que presta apoio diário de administração de metadona e/ou outra medicação, apoio médico e psicossocial a 1.200 utentes em regime ambulatório.